Todo o dia é ano novo.

Lindo texto! Feliz ano novo a todos, todos os dias!
 
 
“Todo o dia é ano novo.
Todo dia é ano novo
Entre a lua e as estrelas
num sorriso de criança
no canto dos passarinhos
num olhar, numa esperança…
Todo dia é ano novo
na harmonia das cores
na natureza esquecida
na fresca aragem da brisa
na própria essência da vida.
Todo dia é ano novo
no regato cristalino
pequeno servo do mar
nas ondas lavando as praias
na clara luz do luar…
Todo dia é ano novo
na escuridão do infinito
todo ponteado de estrelas
na amplidão do universo
no simples prazer de vê-las
nos segredos desta vida
no germinar da semente.
Todo dia é ano novo
nos movimentos da Terra
que gira incessantemente.
Todo dia é ano novo
no orvalho sobre a relva
na passarela que encanta
no cheiro que vem da terra
e no sol que se levanta.
Todo dia é ano novo
nas flores que desabrocham
perfumando a atmosfera
nas folhas novas que brotam
anunciando a primavera.
Você é capaz, é paz
É esperança
Todo dia é ano novo
no colorido mais bel
odos olhos dos filhos seus…
Você é paz, é amora alegria de Deus.
Não há vida sem volta
e não há volta sem vida
no ciclo da natureza
neste ir e vir constante
No broto que se renova
na vida que segue adiante
em quem semeia bondade
em quem ajuda o irmão
colhendo felicidade
cumprindo a sua missão.
Todo dia é ano novo…portanto…feliz ano novo todo dia!”

autor desconhecido

Brincadeiras aquáticas – Há quantas maneiras de chegar lá?

 
Verão, férias e brincadeiras na piscina! \o/ Delícia!
Este é o primeiro de vários posts com ideias para divertir as crianças na água. Os jogos aquáticos proporcionam ilimitada diversão de verão para crianças de todas as idades, sejam elas nadadoras ou não. Porém a prática dos jogos aquáticos requer muita cautela e sempre a supervisão de um adulto com habilidade de salva-vidas.

 
Há quantas maneiras de chegar lá?

 
O nadador que tiver muita imaginação triunfa nesta versão de Siga o Líder.

 
Jogadores: 2 ou mais, além de um adulto para supervisionar

Idade: 5 a 12 anos

Local: piscina

Equipamento: nenhum

 
O jogo Há quantas maneiras de chegar lá? oferece um desafio para os participantes que apresentarem – e demonstrarem – diversas maneiras de cruzar uma piscina. Se realizado em águas rasas, é excelente para incentivar as crianças a se molhar e a se divertir na água.

 
Para o início da atividade aquática, os jogadores enfileiram-se ao longo de um dos lados da piscina. Um participante é selecionado para começar e, então, ele ou ela, atravessa a piscina e escolhe uma maneira para fazer isso. Se souber nadar, poderá escolher o estilo crawl, o nado de costas, a braçada lateral ou ainda o nado elementar de costas. Pode também optar por andar nas pontas dos pés, saltar em um pé só, andar com as mãos, dar cambalhotas, nadar no estilo cachorrinho ou deslizar na piscina. As possibilidades são (quase) infinitas! O jogador seguinte seleciona um método diferente para atravessar e executa em todo o trajeto.

 
Não podem repetir o método de outro participante que os tenha precedido, e o supervisor, um adulto, deve certificar-se de que nenhuma criança chegue a extremos em sua capacidade de nadar. O jogo continua de um lado ao outro da piscina, enquanto não se esgotar a imaginação.

 
Quando um jogador não conseguir pensar em uma maneira de “chegar lá”, será eliminado do jogo. Quem ficar por último para atravessar a piscina, lançando mão de uma maneira original, será o vencedor.

Cupcake FÁCIL de chocolate

Como prometido no post da festa da Georgia, segue a receita do cupcake com cobertura red velvet delicioso e o melhor, super fácil de fazer! Vamos lá!

 
Rendimento: cerca de 13 cupcakes

Ingredientes:
2 ovos
1/2 xícara (chá) de oléo
1/2 xícara (chá) de leite
1 1/2 xícaras (chá) de açúcar
2 xícara (chá) farinha de trigo
1/2 xícara (chá) de chocolate
1 colher (sopa) de fermento em pó

Modo de preparo:
Bater os ovos, oléo, o leite e o açúcar no liquidificador por 5 minutos.
Em uma vasilha misturar a farinha, o chocolate e o fermento, misturar bem e adicionar o líquido do liquidificador, mexer bem. Colocar em forminhas de papel e depois nas forminhas de silicone ou aluminio (próprias para cupcakes). Assar em forno preaquecido, médio, 170/180 graus, por cerca de 15 a 20 minutos. (verificar a massa com um palito de dente!)

 
COBERTURA RED VELVET

100g de manteiga sem sal (em temperatura ambiente)
250g de cream cheese (em temperatura ambiente)
2 a 3 xícaras de açúcar de confeiteiro
1 colher de sobremesa de essência de baunilha

 
Bata a manteiga com o creem cheese por cerca de 5 minutos. Junte a essência de baunilha e bata mais um pouco. Vá aos poucos acrescentando o açúcar de confeiteiro até a doçura desejada. Quanto mais açúcar mais consistente fica a cobertura.

 
Utilize o saco de confeiteiro e o bico que desejar para cobrir os cupcakes. Você pode jogar alguns confeitos por cima para dar um colorido especial!

 
Opcional: vc pode rechear os cupcakes (hummm…) antes de cobri-los com o Red Velvet! Foi o que eu fiz! Com o bico de metal de confeitar eu fiz uma cavidade em cada bolinho e recheei com doce de leite. Depois tapei apenas com a casquinha que tirei do bolinho.

 
Ficou show!!!

Decoração Personalizada para Festa Monster High


Georgia, minha caçula, escolheu como tema as bonecas Monster High que são a sensação entre as meninas de 6/7 anos! Aproveitei minha viagem a NY no início de outubro (época que a cidade se mobiliza para o Halloween) para trazer diversos itens decorativos no tema. Na loja Party City, que eu adoro, comprei aranhas e outros insetos medonhos para colocar nas mesas dos convidados, na mesa do bolo e até nas lembrancinhas!
Usei como “toalha” para a mesa dos doces uma teia de aranha falsa que também comprei na Party City por US$ 2,50.

Do Wallmart trouxe umas balas de goma em formato de olho que coloquei em cima de alguns cupcakes!

Os copinhos de acrílico com tampa adesivada no tema e recheados de balas é uma opção bem legal que decora e preenche bem a mesa dos doces!


As águas minerais também ficam um charme e escolhi a opção pink da Ouro Fino!


Desenhei dois grafismos que se intercalavam nos itens da decoração: o xadrez típico da Monster High e um zigzag. Adesivei alguns vidros que serviam como base para os aparadores dos doces com esse grafismo.

Como cores escolhi, claro, o pink, roxo, preto e azul Bahamas. Como a Monster High é um tema bem feminino decidi criar, em cima da logo oficial das monstrinhas uma caveira-menino, com bandana roxa! Amei o resultado contrastando com a caveira oficial com laço pink da Monster High! Cones de papel recheados de marshmellow são um diferencial na decoração da mesa!

Os tubetes com rótulo em vinil no tema ficaram lindos com as balas tipo mentos que por sorte achei nas cores roxinha e rosa!

As bandeirolas para os doces são itens obrigatórios em todas as minhas festas

e os toppers para cupcakes dão um charme nesses bolinhos que são a sensasão!


Falando em cupcake tenho uma receita super fácil, prática e gostosa de cupcake de chocolate. A cobertura red velvet é deliciosa e combinou super bem com o bolo e o recheio de doce de leite! No próximo post coloco a receita!
Uma ideia que tive de última hora foi decorar bombons Alpino com aranhas e morcegos de papel cartão e espalhar sobre a mesa. Assim como no ano passado que usei bolinhas gel (utilizadas em arranjos florais) como recheio dos vidros, esse ano repeti o feito e, de novo, foi o grande sucesso da criançada que depois do Parabéns queria levar para casa as tais bolinhas roxas e pinks!

Além dos cupcakes que eu mesma cozinhei, encomendei um dúzia de cupcakes decorados na Cupcakeria Rosa que faz cupcakes lindos e gostosos! Para as lembrancinhas fiz mini-nécessaires com pasta e escova de dente adesivados no tema (caveira com laço para as meninas e caveira com bandana para os meninos) e mais uma dentadura de vampiro para deixar o brinde mais divertido! Para as meninas ainda incrementei com tattoos da monster high que trouxe dos EUA e para os meninos os insetos que comentei no início desse post.


A festa foi ótima, a decoração fez sucesso entre os convidados e, o que é mais importante, minha filha se divertiu à beça e, muito fofa, me agradeceu pela festa linda! Ver a carinha de felicidade dos nossos filhos faz valer todo o trabalho e dedicação, não é mesmo!?

Fabiana e Georgia!

Mãe e filha felizes com a comemoração!

Jogos e Brincadeiras – Variações Rummy

Quem leu o post sobre o Rummy vai conhecer umas divertidas variações para este jogo. Se não sabe como é, leia aqui!

 
E vamos à diversão!

 
Rummy de Batidas

O Rummy de Batidas, também chamado de Rummy do Pôquer, requer que os jogadores se arrisquem. Ao invés de baixar cartas, os jogadores seguram as combinações que têm, à medida que ocorrem, até o final da mão. Assim, eles não baixam cartas nas combinações de outros jogadores. Cada jogador recebe seis cartas independentemente do número de participantes, e o jogo prossegue como o Rummy comum, em que cada um tenta fazer combinações e reduzir a quantidade de “morto” (cartas não utilizadas) na mão. Qualquer jogador que tenha boas cartas na mão e ache que seu morto é menor que o de seus adversários pode encerrar a mão batendo na mesa quando chegar a sua vez. Ele joga fora então uma carta e mostra as outras. Em seguida, os demais jogadores mostram suas cartas.

 
Se um jogador, que tenha batido, confirmar que tem o menor morto, vence a mão e seus pontos são calculados subtraindo seu morto do total de cartas nas mãos dos outros jogadores e calculando depois estas diferenças. Se o jogador que bate na mesa porque tem rummy (somente combinações – sem morto – em sua mão), ganha um bônus de 25 pontos de cada um dos jogadores, mesmo que o outro também tenha rummy na mão.

 
Com exceção de um caso de rummy, se alguém bater na mesa, mas depois empatar com outro jogador, este será o vencedor e conseguirá altos pontos. Se, porém, um jogador bater na mesa, mas for confirmado que o outro participante tem um morto menor, quem bateu perde realmente 10 pontos e o vencedor ganha os 10 pontos como bônus.

 
Rummy Virando a Esquina

Também chamado de Rummy de Carta Alta e Baixa, este jogo difere do Rummy clássico porque na sequência, um Ás pode servir como carta alta, como carta baixa, ou ambos. A combinação de Rei-Ás-Dois, por exemplo, é válida e está “virando a esquina”. Os Ases sempre valem 11 pontos nesta versão. Por outro lado, a marcação de pontos é a usual.

 
Rummy da Casa de Barcos

Este jogo é igual ao Rummy clássico, mas com uma diferença: cada vez que pega uma carta do monte de descarte, o jogador também tem que pegar uma da reserva. O jogador só descarta então uma carta. Além disso, as combinações não são mostradas até que um jogador faça o rummy, assim as cartas não podem ser baixadas nas combinações de cartas de outros jogadores. Como no Rummy Virando a Esquina, um Ás pode servir como carta alta ou baixa e podem ser feitas combinações “virando a esquina”. Quando um jogador grita, “Rummy!” os outros revelam suas combinações. O Ás vale 11 pontos, mas por outro lado a marcação do Rummy da Casa de Barcos é feita como a do Rummy clássico, em que as cartas não combinadas nas mãos dos jogadores contam pontos para o vencedor. Não há bônus por fazer um rummy.

 
Cidade da Rainha

O jogo Cidade da Rainha é também chamado de Rummy de uma Combinação. Como no Rummy da Casa de Barcos, os jogadores só devem sair quando fazem o rummy. Nesta versão, a contagem de pontos não é baseada no morto do adversário, mas sim no valor da mão do vencedor. Os Ases valem 11 pontos. Nesta variação, à medida que disputam para fazer o rummy, os jogadores também querem ter o maior número possível de cartas altas em suas combinações.

 
Rummy do Grito

Na versão de Rummy, mais barulhenta que o normal, os jogadores precisam manter olho de águia sobre o descarte de seus adversários. O objetivo é pegar outro jogador descartando uma carta que poderia ter sido usada. O jogador que notar um erro grita: “Rummy!” ao mesmo tempo, a carta vai para o jogador cuja vez está mais próxima. Sob outros aspectos, as regras são as mesmas do Rummy clássico.

 
Rummy de Descarte

Exatamente como seu nome diz, nesta versão de Rummy um jogador só pode sair se acabar com um descarte. A última carta não pode ser posta em combinações, nem usada. Sob outros aspectos, o jogo e a contagem de pontos são os mesmos do Rummy clássico.

 
 
Fonte: O Grande Livro dos Jogos e Brincadeiras Infantis – Debra Wise
Ilustração: Sandy Forrest

Jogos e Brincadeiras – Rummy


 
Os jogadores de Rummy precisam ter mentes lúcidas, se esperam ganhar. Se cansarem de uma versão do jogo, há muitas variações a serem experimentadas.

 
Jogadores: 2 a 6
Idade: a partir de 10 anos
Local: mesa ou outra superfície plana, com assento para todos os jogadores
Equipamento: baralho padrão, lápis e papel para marcar os pontos

 
Rummy é um dos jogos mais populares – e a razão é muito boa! Embora relativamente descomplicado, um bom jogo de Rummy requer boa dose de pensamento estratégico. Prestar atenção ao que os outros jogadores estão fazendo e ter a flexibilidade de repensar posições constantemente são as duas condutas mais importantes para ter sucesso neste jogo.

 
Todos pegam uma carta e quem tirar a mais alta embaralha e distribui as demais, uma a uma, viradas para baixo, a todos os jogadores. Se houver dois jogadores, cada um receberá dez cartas; se houver três ou quatro, cada um receberá sete cartas; se houver cinco ou seis, cada um receberá seis cartas. O restante fica então em um monte virado para baixo no meio da mesa. Esta é a “reserva”. A carta de cima da reserva é virada e fica ao lado para dar início a um monte de descarte.

 
O objetivo de cada jogador é livrar-se de todas as suas cartas durante o jogo. A única maneira de fazer isso é reunindo algumas cartas, as chamadas “combinações”. As combinações englobam qualquer grupo de três ou quatro cartas do mesmo valor, ou qualquer sequência de três ou quatro cartas do mesmo naipe. Quatro Seis ou três Damas, por exemplo, compõem uma combinação, sendo também o caso de Dois, Três e Quatro de paus ou Nove, Dez e Valete de ouros. (Os Ases têm valor baixo quando colocados juntos em sequência; assim um jogador pode usar uma sequência de Ás, Dois, Três mas não Dama, Rei e Ás.)

 
Dando início ao jogo, o participante à esquerda do distribuidor pega a carta de cima de qualquer monte virado para baixo ou do monte de descarte virado para cima. Então, descarta qualquer carta de sua mão neste monte. (Se, porém, pegar uma carta do monte de descarte, não poderá descartar a mesma carta.) O jogo prossegue em sentido horário, e cada jogador pega e descarta uma carta. Sempre que um jogador fizer uma combinação, ele a deixará com a face para cima sobre a mesa. Um participante pode até já ter uma combinação para baixar após a distribuição inicial das cartas, e isto é ótimo.

 
À medida que os jogadores começam a colocar na mesa suas combinações, os outros, por sua vez, podem “baixar” cartas sobre elas, acrescentando uma quarta carta a uma trinca de reis, ou na ponta crescente ou decrescente da sequência de uma trinca. Por exemplo, se um participante jogou três Ases e outro jogador tem o quarto, este pode baixar seu Ás quando chegar a sua vez. Se alguém tem uma combinação de Cinco, Seis e Sete de copas, outro jogador pode baixar o Quatro e o Oito de copas. Os jogadores podem descartar quantas cartas for possível durante a sua vez.

 
Se a reserva acabar e o jogador não quiser a carta de cima do monte de descarte, este será virado para ser usado como nova reserva. O primeiro jogador a “sair” (a jogar todas as suas cartas) vence a mão. Não é obrigatório descartar quando sai, a menos que ele queira.

 
Em seguida, faz-se a contagem dos pontos. O valor de todas as cartas que sobraram nas mãos dos jogadores é concedido ao vencedor. Os Ases valem 1, as cartas de figuras (Valete, Dama e Rei) valem 10 e as outras cartas têm os valor de seus próprios números. O vencedor dobra sua pontuação caso consiga vencer por “fazer o rummy”. Isso significa que ele descartou cada uma de suas cartas de uma só vez. Para tanto, até aquele momento da jogada ele não deve ter baixado quaisquer combinações ou outras cartas nas combinações de seus adversários. Geralmente, o “rummy” ocorre no início da mão, se for o caso – a não ser que algum jogador imprudente segure todas as combinações na esperança de poder fazer o “rummy” na mão mais tarde.

 
Depois de contados os pontos da primeira rodada o jogador ã esquerda do distribuidor embaralha e dá as cartas da próxima mão. É especialmente importante neste jogo embaralhar muito bem as cartas. O jogo prossegue até que um jogador alcance os pontos estipulados, em geral, 500 pontos. Se dois ou mais jogadores fizerem os 500 pontos ao mesmo tempo, o que tiver mais pontos vence.

 
Durante qualquer rodada, os jogadores devem prestar atenção ao que cada um está fazendo. O jogador deve tentar não descartar uma carta que ele ache que o adversário à esquerda possa usar. Acompanhando quaisquer cartas o adversário pega e descarta, o jogador pode saber o que os outros estão precisando e evitar ajudá-los.

 
É importante mudar de tática quando parece que os outros estão pegando todas as cartas que ele precisa. Quanto mais flexível for um jogador, com relação a mudar os grupos e as sequências que está tentando reunir, mais sucesso terá. Se os adversários parecem estar em busca de grupos de combinações, o jogador deve tentar fazer sequências combinadas de e vice-versa. Finalmente, para manter baixa a pontuação da mão do vencedor, os jogadores devem procurar não ficar com muitas cartas altas no final de uma mão. As cartas de figuras que sejam indesejáveis devem ser descartadas no início do jogo.

 
 
Fonte: O Grande Livro dos Jogos e Brincadeiras Infantis – Debra Wise
Ilustração: Sandy Forrest

DIY – enfeites de Natal para fazer com as crianças!

As queridas Renata e Juliana do blog Just Real Moms ~ http://www.justrealmoms.com.br ~ selecionaram algumas ideias DIY de enfeites de Natal para fazer junto com as crianças, que além de lindos, são fáceis de fazer!

 
Guirlanda feita com prendedor de roupa!

 
Além do resultado ficar lindo, também é útil, pois torna um objeto para pendurar os tradicionais cartões de Natal!

 
Para fazer, basta pegar um arame, enrolá-lo em formato redondo e prender nele os pregadores já pintados de verde ou dourado. Por último, para arrematar, adicione um enfeite como bola ou laço!

 
 
Bola forrada!

 
Também parece ser bem fácil de fazer. Basta pegar uma bolinha qualquer e forrar com um tecido com motivo natalino e dar um laço. Fica linda para pendurar na árvore.

 
 
Árvore de bala!

 
Vejam as ilustrações com o passo a passo de como fazer:

 

 

 

 

 

 

 
 
Lanternas de papel!

 
Vejam as ilustrações com o passo a passo de como fazer:

 

 

 

 

 
 
Enfeite para pendurar!

 
Esse enfeite tem um efeito lindo! Não parece muito difícil de fazer, mas precisa de uma certa habilidade manual! Vejam as ilustrações com o passo a passo de como fazer:

 

 

 

 

 

 

 

 

 
Fontes: Pinterest e Just Real Moms – http://www.justrealmoms.com.br/diy-enfeites-de-natal-para-fazer-com-as-criancas

Jogos e Brincadeiras – Bichinho Pretinho

Cantar um versinho, que vem sendo transmitido há muitas gerações, anima um jogo de bate-bola simples.

 
Jogadores: 1 ou mais
Idade: 4 a 10 anos
Local: ao ar livre, em calçada, quadra ou similar
Equipamento: bola

 

 
Sempre que batem bola, as crianças costumam cantar versinhos e cantigas para acompanhar o “tump-tump-tump”das batidas no chão. Além de acrescentar interesse, esses versinhos desafiam os rebatedores de bola a realizar vários toques. O Bichinho Pretinho, um dos joguinhos favoritos, é divertido para brincar sozinho, mas como todos os jogos de bate-bola com rimas, é muito mais desafiador se houver um adversário para competir.
 
Há muitas maneiras de bater bola, em especial quando se brinca sozinho, e quanto mais batidas uma criança souber, mais divertido será o jogo de rimas. A bola pode simplesmente pular para cima e para baixo. Ela pode ser batida enquanto se batem palmas, pés, ou dando uma viravolta. A bola também pode ser batida de várias maneiras contra uma parede sem janela – com a palma para cima, no ombro, com a palma para baixo ou sob uma perna por exemplo. Pode ser batida no chão antes de bater na parede ou fazê-la bater depois no chão. Um jogador pode atirá-la atrás de suas costas – virando-se em seguida para pegá-la. A bola pode ser apanhada com as duas mãos.

 
Em Bichinho Pretinho, os jogadores começam como bate-bola básico, depois devem fazer diferentes tipos de batidas, sem deixar a bola cair (rolar), cantando ao mesmo tempo os versinhos:

 
Bichinho pretinho
no meu tapetinho,
É um,
É dois,
É três,
É quatro,
É cinco,
É seis,
É sete,
É oito,
E eu te peguei!

 
Os jogadores decidem como deve ser cada batida de bola. Em uma competição, o primeiro jogador a completar as batidas sem erros é o vencedor.
 
 
Charlie Chaplin
 
Nesta variação o versinho é:
 
Charlie Chaplin foi pra França
Ensinar como se dança.
E as mocinhas aprenderam:
Calcanhar e dedo, é assim, assim!
Calcanhar e dedo, é assim, assim!
Calcanhar e dedo, assim você vai!

 
A bola é batida para cima e para baixo nas primeiras três linhas. Em “calcanhar”, o jogador bate um calcanhar no chão. Em “dedo, ele bate um dedo do pé, e em “é assim, assim!”, ele passa a bola embaixo da perna.

 
 
Oliver Twist
 
Nesta variação, os jogadores alternam-se no bate-bola com uma mão só e realizando determinadas ações ou mímicas. O primeiro a terminar sem cometer erros é o vencedor. Como sempre, os jogadores começam com o bate-bola básico antes da brincadeira começar.

 
Oliver Twist aposto com você
O que eu faço você não sabe fazer:
Número um – toca a língua,
Número dois – toca o sapato,
Número três – toca o joelho,
Número quatro – toca o chão,
Número cinco – sinta-se vivo (agita os braços freneticamente),
Número seis – pega palitos (mímica),
Número sete – pula pro céu,
Número oito – fecha o portão (mímica),
Número nove – anda na linha,
Número dez – começa outra vez.

 
 
Fonte: O Grande Livro dos Jogos e Brincadeiras Infantis – Debra Wise
Ilustração: Sandy Forrest