Jogos e Brincadeiras – Copas

Os jogadores disputam para conseguir um mínimo de pontos neste jogo.

 
Jogadores: 3 a 6

Idade: a partir de 9 anos

Local: mesa ou outra superfície plana, com assento para todos os jogadores

Equipamento: baralho padrão, lápis e papel para marcar os pontos

 
 
Uma partida sofisticada de Copas envolve muita estratégia, mas o jogo também pode ser realizado em nível mais básico. Às vezes é difícil convencer as crianças de que o jogador que acaba com mais pontos é o perdedor – talvez seja útil apresentar os pontos ganhos como pontos negativos.

 
 

 
 
Em Copas só se utiliza todo o baralho se houver quatro jogadores. Caso contrário, uma ou mais cartas devem ser excluídas antes de começar o jogo. Se houver três jogadores, o Dois de paus é excluído; se houver cinco jogadores, são excluídos o Dois de paus e o Dois de ouros, se houver seis jogadores, os Dois de paus, de ouros e de espadas são excluídos e também o Três de paus. Dessa forma, quando o baralho é distribuído, cada jogador receberá um número igual de cartas.

 
Para começar, cada um pega uma carta e a mais alta dá direito à distribuição das outras. O distribuidor dá todas as cartas, uma a uma, viradas para baixo. Os jogadores devem organizar sua mão por naipe e valor.

 
O objetivo de cada jogador é evitar ganhar quaisquer “vazas” que contenham copas ou a Dama de espadas. Uma vaza são todas as cartas jogadas em uma rodada. O naipe de copas e a Dama de espadas serão evitados porque todos valem pontos e neste jogo o objetivo é acumular o mínimo possível de pontos.

 
Antes do jogo, cada jogador seleciona três cartas de sua mão e passa-as, viradas para baixo, ao jogador à sua direita, que então deve acrescentar as novas cartas à sua mão. (Uma variação do jogo omite esta parte.)

 
A ação real terá um início diferente, dependendo do número de jogadores. Se houver quatro participantes, o jogador com o Dois de paus começa pondo no centro da mesa a carta virada para cima. Em jogos com três, cinco ou seis jogadores, o que estiver à esquerda do distribuidor de cartas inicia com qualquer carta – com exceção de uma carta de copas ou a Dama de espadas.

 
Em qualquer caso, o próximo jogador à esquerda continua jogando outra carta do mesmo naipe iniciado com o jogador anterior, se tiver. Se não, poderá jogar qualquer outra carta de outro naipe, até mesmo de copas. Mas há uma exceção: não se permite a ninguém jogar a Dama de espadas na primeira rodada. Depois que todos os participantes jogaram uma carta, termina a primeira rodada. O participante que jogou a carta mais alta do naipe que iniciou a rodada ganha a vaza, uma boa notícia, só que não será muito boa caso esta vaza contenha qualquer carta de copas. (Mais adiante, no jogo, as notícias podem ficar piores – se na vaza houver a Dama de espadas).

 
O jogador que ganha a vaza, pega todas as cartas e as coloca em um monte virado para baixo a seu lado e inicia a próxima rodada. Ele pode sair com paus, ouros ou espadas de sua vez. Pode até sair com copas – mas somente se uma carta de copas tiver sido jogada na rodada anterior. Ninguém pode iniciar com uma carta de copas a não ser depois que esse naipe tenha sido “quebrado”, isto é, quando um jogador na rodada anterior, estando sem cartas do naipe da vaza, teve que jogar uma carta de copas.

 
 

 
 
Quando todas as cartas forem jogadas, será o momento da contagem de pontos. Cada carta de copas vale 1 ponto e a Dama de espadas vale 13. Uma peculiaridade nesse sistema de pontuação é que, se o jogador capturar todas as cartas de copas e também a Dama de espadas, ele conseguirá realmente um grande prêmio: 26 pontos são subtraídos de sua pontuação. É o chamado “tiro na lua”. Às vezes acontece casualmente, mas em geral exige muito planejamento. Mas procurar isso é muito arriscado, porque se falta para o jogador uma única carta de copas, que não conseguir capturar, todas as outras cartas desse naipe que tiver na mão (e a Dama de espadas) contarão pontos contra ele.

 
Após a recontagem da pontuação, o jogador à esquerda do distribuidor original embaralha e dá a próxima mão. O jogo continua até que um ou mais jogadores alcancem um total de 50 pontos. O participante com a pontuação mais baixa vence.

 
As regras das vazas de Copas requerem estratégia inteligente desde o momento em que o jogador passa as cartas pela primeira vez. A Dama de espadas não deve necessariamente ser passada no início do jogo, uma vez que o jogador que tiver essa desafortunada senhora terá o controle de quando ela será jogada. Para evitar ser vencido por ela, no entanto, o jogador deve se certificar de ter algumas cartas baixas de espadas, para que possa guardar a Dama até que outro jogador jogue um Ás ou um Rei. O Ás ou o Rei de espadas deve ser passado para outro jogador durante a rodada de passagem, a não ser que um jogador considere sua mão tão boa que dê até para atirar na lua.

 
Como ninguém quer ganhar cartas de copas, um jogador deve tentar jogar com cartas baixas desse naipe (depois de “quebradas” as cartas de copas), e descartá-las sempre que possível. Algumas cartas devem ser guardadas na mão para ganhar vazas que não tenham cartas de copas. Mas um jogador não deve segurar muito as cartas altas, quando a mão está quase acabando – é quando os outros participantes certamente vão descarregar suas cartas indesejáveis.

 
 
Fonte: O Grande Livro dos Jogos e Brincadeiras Infantis – Debra Wise
Ilustração: Sandy Forrest

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *